27 de ago de 2011

Metáfora

                                                                     imagem: weheartit

                     Sou folha rasgada, que, com o toque de uma brisa suave, dança freneticamente como se não possuísse vida.  Mas será mesmo que não possui? Quem foi que disse isso? Pedaço de folha não pensa. Se o faz, já não é mais. E passa a ser o quê? Talvez folha viva, ou até algo que sinta e escreva. Até cair, de vez em quando, num poço perto do lago da realidade. Boiar na água parada e ter a sensação momentânea de que já não existe mais.
                     Até descobrir que o poço também contém o real. E que, a mesma brisa suave que a transportou até ali, será aquela que a levará gentilmente para outro jardim. Onde as curvas do vento que arrancaram sua parte, completem-na novamente.
                     Folha que nasceu para ser inteira não resseca metade.



                                                                     by Rachel Nunes*

24 de ago de 2011

Instruções

                                                                  imagem: weheartit


Pule!
Entre na água,
Adormeça no mar,
E na próxima cachoeira deságue.

Jogue a terra no rio,
Observe ela encontrar um destino.
Uma parada final que nunca pára.

Sempre há movimento na praia.
Na areia escaldante do intelecto,
Na sombra tranquila de um guarda-sol.

Que guarda uma luz.
Para o próximo verão,
Para uma nova estação,
Para a próxima inspiração.

Pule no oceano das canções invisíveis.
Pule as ondas até a maré baixar.

Empurre as palavras do penhasco.
Para que elas sejam remos
De um barquinho no meio do nada.



by Rachel Nunes*

21 de ago de 2011

Estrela-do-mar cadente

                                                                       imagem: tumblr


Você nunca solidificou na minha vida.
Nunca deixou de ser água.
Até agora.
Até um "só Deus sabe quando".
    
Você sempre foi rio que não deságua em canto nenhum.
Estrela-cadente que não sabe onde cairá.
Talvez em um canteiro desconhecido.
Um coração, talvez.
     
A incerteza rodeia a minha mente.
Agonia desastrosa de só voar em terreno vazio.
Ansiando incontrolavelmente por um controle.
Alguém que me pare, só para poder me alcançar.

É que eu ando rápido demais.
A pressa do coração inspira a inquietude da alma. 


by Rachel Nunes*

18 de ago de 2011

Um dia (parte 2)

                                                                     imagem: weheartit


O coração que ama jorra sangue perfumado.
E um dia você saberá que é verdade.
Um dia.

Um dia, você sentirá a água vermelha escorrer.
Talvez não perceba de imediato a sua existência,
Mas é só questão de tempo.

Tempo que o amor não vive sem,
Muito menos aquele sem este.
Nem eu sem eles.

Um dia, a venda dos olhos do seu coração
Será retirada pelas mãos da necessidade.

Um dia, o aparente nada do seu eu
Mostrará o tudo que sempre foi.

Um dia, o "um" será "o".

Um dia, a felicidade febril
Será o calor vital que derreterá sua geleira inteira.

Um dia, não haverá espaço para o vazio completo.
Tudo um dia será cheio
E o que não mudou não terá mais chance de ser.

Um dia, não mais será.
O ser será o que não foi.


by Rachel Nunes*

15 de ago de 2011

Um dia (parte 1)


                                                                     imagem: weheartit


Um dia você vai.
Não sei o que, mas vai.
Não adianta fugir
Do possível, e muito menos do que não é.

O amor não é impossível;
Só é impossível não amar.
(Até o ódio tem amor)

Flor ferida que não cicatriza está para sempre marcada
Pelo corte do amor
Que dói muito, muito, muito, nada, muito.


by Rachel Nunes*

11 de ago de 2011

Fixada nas nuvens

                                                                    imagem: weheartit



Borboleta presa não vê o chão.
A gaiola metafórica é ilusão desastrosa dos desiludidos.
            Quem sonha não vê nada além do céu – celeste, sereno e pedregoso.

Sim, sim, há dificuldade no fim.
O prosseguir é repleto de cercas.
Para atravessar tem que voar.
Esquecer as cordas que amarram nossos pés e
Regenerar as asas cortadas pelo vento cruel.

Impulso. Aquele que surge quando a lembrança do calor, antes esquecido,
Refresca o caminho futuro.
Impulso futuro: a união de um agora com o antigo depois.
O vôo terrestre de quem não sabe voar.
O devaneio de quem não sabe não tentar.



by Rachel Nunes*

8 de ago de 2011

Sem fim

                                                                  imagem: weheartit


Preencha! O vazio é tão triste...
Falta de sentimento, poesia, letras e gestos.

Encha! De vida, corações e doces.
O pouco sem tudo é nada.

O tudo é belo. Palavras com vida, pedaços de planta, coragem da boca do coração.
O tudo é falta de medo. Soltar as palavras enjauladas na mente.
Voar é tudo. Sair da mente para entrar na eternidade.

Libera! Quanto mais vai, mais volta.


by Rachel Nunes*

5 de ago de 2011

Tempestade silenciosa

imagem: weheartit


 
Tá chovendo.
Mas é chuva diferente. Nada de água.
São só flores.
O pouco e o tudo.
Pra seca na alma, o líquido das nuvens não funciona.

As pétalas podem saciar.
Nosso olhar que tem sede do belo -
a água do espírito.



by Rachel Nunes*

3 de ago de 2011

Permissão

                                                                     imagem: weheartit


Deixa vir, deixa.
Deixa entrar no coração e na mente, deixa.
Deixa o vento levar, deixa.
Para dentro, para o oculto, para sempre.

Faz assim, só deixe controlar o que pode controlar.
E é somente o que é bom, o que fortalece a coragem.
De amar,
de clarear,
de ser o
ou a falta do ar.


by Rachel Nunes*

1 de ago de 2011

Overdose



                                                                       imagem: weheartit



Mas se você pensar bem, pensar às vezes dói.



by Rachel Nunes*